‘Imortais’: beleza plástica do filme não se reflete na história

Compartilhe

Dirigido pelo indiano Tarsem Singh, Imortais (Immortals) impressiona pelo visual impecável e pelas cenas de ação regadas à sangue. Nos primeiros minutos de filme, figuras não humanas enclausuradas numa espécie de caixa, representam uma estética que provoca estranhamento e desperta a curiosidade do público. Mas o protagonista pouco expressivo e a história rasa não convencem.
imortais_immortals
Divulgação/Imagem Filmes
No estilo filme de horror também são exibidas ao longo da trama, inúmeras cenas de estilhaçamento de crânio, decapitação, dentre outras formas cruéis de tortura e assassinato. A direção de fotografia investe em imagens duras com muitas sombras, especialmente, nas sequências que envolvem o personagem de Mickey Rourke, bastante convincente na pele do perverso Rei Hyperion.

No entanto, o que plasticamente o filme tem de interessante se perde na história, que insiste na mesmice, o “Bem” representado pelos Deuses e o “Mal” encarnado na figura dos Titãs. Na trama, Hyperion arquiteta um plano para destruir os Deuses e para isso precisa do poderoso arco mágico, e o único capaz de impedi-lo é Theseu, que contará com a ajuda de um monge (Greg Bryk), do bandido Stavros (Stephen Dorff) e da bela sarcedotiza (Freida Pinto). Não é preciso nem fazer spoiler, já está óbvio o desenrolar da trama.

Apesar dos closes expressivos, dos esforços de direção e do físico esculpido do ator Henry Cavill, o seu personagem parece um menino perdido e revoltado. O próprio Zeus não é tão rico de possibilidades artísticas como Theseu, mas Luke Evans é bem-sucedido ao interpretar o Deus do Trovão. Aliás, a violência adotada pelos deuses é sempre justificada. O extremo senso de justiça e bondade dos Deuses é algo que contraria toda a história da mitologia e não convence o público.

Para aqueles que apreciaram 300, este filme é mais violento e visualmente é tão ou mais espetacular que o longa estrelado por Gerard Butler. O 3D concede profundidade à imagem, mas não é algo indispensável. A história poderia ser um “pouco” mais sólida e menos óbvia. Mas ‘Imortais’ cumpre a sua função. Não esqueça da pipoca e torça para não sentar-se ao lado de pessoas que vão ao cinema apenas para “zoar”. 

Confira o trailer

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *