(Review)Amantes Eternos: a vida humana a partir do olhar de vampiros intelectualizados e apaixonados

Compartilhe

Estrelado por Tom Hiddleston e Tilda Swinton, Amantes Eternos propõe reflexão sobre a trajetória humana a partir do ponto de vista de casal de vampiros seculares, uma narrativa, por vezes, contemplativa, mas ainda assim permeada por doses de drama e humor negro crítico e refinado.

Imagem/Paris Filmes

Movimentos lentos de câmera parecem rodopiar sobre os românticos vampiros Eve (Tilda Swinton) e Adam (Tom Hiddleston), e dão indícios claros da monotonia e descontentamento enfrentada pelo casal diante do mundo. Apesar de eternos amantes, o músico busca pela reclusão na cidade de Detroit, EUA; enquanto ela opta por um lar em Tânger, Marrocos.

Essa distância dá ensejo a teoria do entrelaçamento quântico sob um viés romântico. Segundo este estudo, duas ou mais partículas estão conectadas de tal modo que independente da distância entre elas, uma não pode ser afetada sem que a outra também seja.

amantes_eternos_tom
Imagem/Paris Filmes

Aspecto reflexivo e intelectualizado que pontua a relação do casal em seu reencontro, e traça a linha de raciocínio do roteiro de Jim Jarmusch, também responsável pela direção do longa. Seja no (travelling) deslocamento de câmera em pontos de vistas contemplativos dos personagens por Michigan ou Tânger; seja nos diálogos críticos sobre a incoerência da humanidade, a narrativa foge da fórmula convencional.

O termo zumbi usado pelos vampiros em referência ao comportamento humano indica um alto teor crítico, como é demonstrado na ênfase dada a conversas sobre a sociedade e o aproveitamento pouco inteligente de grandes nomes da ciência como Darwin e Einstein, ou até mesmo em citações irreverentes que descrevem Los Angeles como lugar de alta concentração de zumbis.

amantes_eternos_mia_wasikowska
Ian (Anton Yelchin) não sabe que está lidando com vampiros perigosos, como Ava (Mia Wasikowska) – Divulgação/Paris Filmes

Mesmo assim a relação amistosa entre humanos e vampiros é retratada como possível, conforme demonstram Adam e o seu secretário pessoal e distribuidor de discos, Ian. Mas isto não é uma regra, algo comprovado pela divertida mas cruel irmã de Eve, interpretada por Mia Wasikowska.

A natureza vampírica destas criaturas é sempre lembrada, e em diversas sequências é explicitada a relação delas com o sangue. Apesar dos efeitos especiais serem usados com parcimônia, a capacidade sobre-humana é evidenciada em eventos cotidianos.

amantes_eternos_tilda
Um cálice de sangue proporciona imenso prazer – Divulgação/Paris Filmes

Mas tudo isso equilibrado com humor, inclusive em situações que beiram o trágico, como a tendência suicida de Adam contornada pelo otimismo de Eve. Como ela destaca em uma de suas falas, existem coisas melhores a se fazer, como apreciar a natureza, cultivar amizades ou simplesmente dançar.

Amantes Eternos (Only Lovers Left Alive) como o título original indica – somente os apaixonados são deixados vivos – é um filme romântico de ritmo e conteúdo distinto dos títulos habituais sobre vampiros, especialmente os de circuito comercial. Mas ainda assim traz uma visão otimista, e quando isto não é mais possível, a trama caminha pela cordialidade irônica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *