O Conto da Princesa Kaguya é reflexo da fantástica cultura japonesa

Compartilhe

Baseado em milenar narrativa japonesa, O Conto da Princesa Kaguya investe no universo do fantástico em traços impressionistas e propõe reflexão sobre a vida humana. Além de ter sido um dos responsáveis pelo roteiro, Isao Takahata assina a direção do longa animado de 137 minutos de duração.
Imagem/California Filmes

Inspirada no conto O cortador de bambu, a trama exibe a trajetória de uma figura divina surgida a partir do broto da planta. Ao ser acolhida por um casal de idosos, a entidade assume a forma humana e cresce rapidamente. Por meio de forças sobrenaturais, ela receberá todo o necessário para se transformar em uma princesa e neste trajeto irá se deparar com questões sobre o amor e a liberdade.

Diferente das animações recentes cada vez mais empenhadas na tecnologia 3D, o longa parece beber na fonte do impressionismo e exibe traços menos preocupados com a exatidão das formas e segue mais atento a experimentação, algo claro no uso das cores das paisagens e também na falta desta em uma situação de grande tensão e devaneio.

Imagem/California Filmes

Mesmo com uma proposta reflexiva de ritmo mais literário, a narrativa exibe imagens de fácil empatia, desde os primeiros passos da bebê e seus tombos, passando pela convivência divertida com as demais crianças até os momentos de puro afeto. O amadurecimento se dá com a chegada do primeiro amor embarreirado pelas obrigações de um destino ‘fadado’ a realeza.

Assim como o nome escolhido para a personagem central, a cena embaixo da cerejeira parece erradiar uma luz brilhante e destaca o quanto os hábitos mais simples podem resultar em momentos plenos de alegria. A pobre menina rica atrairá muitos pretendentes, mas será que algum deles conquistará o seu coração?

Imagem/California Filmes

Não espere algo como A Viagem de Chiriho do Miazaki que prende a atenção do início ao fim com fabulosas cenas de aventura de encaixe curioso e fascinante. O conto da Princesa Kaguya tende ao drama e investe em maiores pausas poéticas, o que não é um problema mas uma escolha narrativa.

Mesmo com o pé na realidade, aspecto presente nos diversos questionamentos sobre as convenções sociais,Takahata opta pela proximidade com a história original e mantém o desfecho fantástico, porém concede maior compaixão a princesa e promove um olhar esperançoso sobre a humanidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *