Tesouros do cinema: Umberto Domenico sob a perspectiva neorrealista de Vittorio De Sica

Compartilhe

Dirigido por Vittorio De Sica, Umberto D. foi lançado em 1952 e se destaca como uma das obras do movimento neorrealista. Diferente dos títulos hollywoodianos, tais produções aproveitavam ainda mais dos ambientes reais e buscavam forte aporte em problemáticas de cunho social.

Imagem/Divulgação
Fique por dentro da história

Após a segunda guerra, a Itália encontrou neste movimento artístico uma forma de expor os problemas graves enfrentados pela nação, portanto, a estética é sóbria e repleta de imagens externas, algo bem diferente do glamour propagado pelos grandes estúdios norte-americanos.

Na trama, Umberto Domenico (Carlos Battisti) é um aposentado solitário que apenas conta com a companhia do cachorro Flike, aliás, o verdadeiro porto seguro deste homem.

Além de retratar esta relação, o longa exibe as dificuldades enfrentadas pelo ex-funcionário público, destacando assim os problemas econômicos do país, algo evidente em cenas como a da manifestação pelo aumento da aposentadoria e também na situação de penúria de alguns personagens.

Responsável por títulos como Ladrões de Bicicletas (Ladri Di Biciclette – 1948) e  Miracolo a Milano (Milagre em Milão – 1951), o cineasta italiano dedicou Umberto D. ao pai. Aproveite e confira o trailer deste tesouro do cinema.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *