É cult – Três títulos marcantes do cinema de 2014

Compartilhe

O ano foi marcado por inúmeras produções de perfil alternativo, mas três se destacaram pelas temáticas instigantes. O sexo como vício, a intimidade de grande nome da moda e a reflexão sobre os rumos da humanidade foram assuntos de produções lançadas no circuito nacional em 2014.

Crítica – Ninfomaníaca (Nymphomaniac) 
Imagem/California Filmes

Em meio a uma série de especulações por conta das cenas de sexo explícito, o filme do polêmico Lars Von Trier conta com a francesa Charlotte Gainsbourg (Melancolia) no papel principal de uma trama permeada por discussões profundas sobre a natureza humana e a sexualidade.

Shia LaBeouf (Transformers), Uma Thurman (Kill Bill) e Stellan Skargard (Millennium) também fazem parte do elenco. A épica produção foi divida em três sequências, as duas primeiras foram exibidas em 2014, já o desfecho não tem data prevista para a estreia.

Crítica – Saint Laurent
Imagens/Imovision

Conhecido pela atuação no papel título em Hannibal – A origem do Mal (2007), Gaspard Ulliel vive Yves-Saint Laurent no que foi considerada a época mais intensa de sua vida amorosa e profissional, entre os anos de 1967 e 1977.

Sob a direção de Bertrand Bonello, o longa exibe nuances do protagonista assim como a de seu parceiro Pierre, vivido por Jerémiér Renier. Ainda estão no elenco, Louis Garrel, Léa Seydoux e Aymeline Valade na pele da top model Betty Catroux.

Crítica – Amantes Eternos (Only Lovers Left Alive)
Imagem/Paris Filmes

Lançado em 2013 no Festival Internacional de Cinema do Rio de Janeiro, o filme teve a estreia oficial nos cinemas apenas em 2014. Sob a direção de Jim Jarmusch, o filme tem um ritmo mais literário e propõe uma reflexão sobre a trajetória humana a partir da perspectiva de amantes eternos encarnados na figura de vampiros.

Tilda Swinton (As Crônicas de Nárnia) e Tom Hiddleston (Thor) vivem o casal eternamente apaixonado neste filme repleto de humor negro negro. Efeitos especiais usados com parcimônia, a sede pelo sangue inerente a figura do vampiro não é esquecida, uma nova perspectiva dos personagens típicos do horror.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *